Ouro brasileiro e festa
latina no domingo japonês

Por AIPS América

1 de agosto de 2021

Um domingo feliz para os países de língua latina em Tóquio. E ainda mais para os brasileiros, que viram uma mulher preta no alto do pódio da ginástica

Por Vicente Dattoli (Publicado pelo “Diario do Porto”, Brasil)

RIO DE JANEIRO, Brasil, 1 de agosto de 2021.- Não, não vou falar apenas do ouro de Rebeca Andrade no cavalo. Há mais, muito mais, neste segundo domingo olímpico de Tóquio. No sábado, em São Paulo, recebemos de volta o Museu da Língua Portuguesa. Convidados de Portugal, Cabo Verde… Não, não vou falar apenas do inédito ouro de Rebeca Andrade na ginástica.

Rebeca Andrade entra para história da ginástica olímpica brasileira em um domingo dourado para os países de língua latina (Míriam Jeske/COB)

A Venezuela, vizinha que sofre com tantos problemas (não é a única), levou ouro no salto triplo e, de quebra, viu sua Yulimar Rojas bater o recorde mundial. Lá, como cá, há tantas tristezas, tão pouco apoio ao esporte…

Não, não vou falar que Rebeca Andrade, ouro, é a típica mulher brasileira. Faço, porém, questão de lembrar que o Equador também conseguiu seu ouro, com Neisi Dajomes, no levantamento de peso. Sem fazer fronteira conosco, os equatorianos se veem diante de mazelas semelhantes às nossas, todos os dias. E seguem adiante.

Não, não vou lembrar que Rebeca Andrade, antes do ouro desta madrugada, foi também prata – a primeira conquista na ginástica das meninas do Brasil. É justo, porém, lembrar que a Itália, latina, que tantas influências possui em nossa formação, faturou em dez minutos dois ouros, no salto em altura com Gianmarco Tamberi e nos 100m com Marcel Jacobs – o primeiro velocista campeão pós-Bolt.

Seria desleal, também, ignorar que o pódio do salto triplo, além da venezuelana Yulimar, teve também a portuguesa Patricia Mamona em segundo e a espanhola Ana Peleteiro em terceiro. Minha pátria é minha língua, já dizia o poeta – e aqui, poeticamente, me deixo levar para chamar de compatriotas todos os que têm o latim como base, falem português, espanhol ou italiano.

Não, não vou falar apenas do ouro de Rebeca Andrade. Nem vou entrar no fácil caminho da superação pela sua vida, sua dificuldade, nada disso. O brilho dourado de Rebeca, que não está sozinho neste mundo, é a demonstração, como disse o nadador Bruno Fratus, bronze também nesta madrugada, que não precisamos ser os mais altos, os mais fortes, os mais bonitos.

Só não podemos desistir, nunca. Assim, teremos vários outros domingos dourados pela vida.

Artículos relacionados

América tiene 13 DE 33 finalistas en Premios de Periodismo AIPS

América tiene 13 DE 33 finalistas en Premios de Periodismo AIPS

El periodismo deportivo de América ha demostrado su ingenio, capacidad analítica e investigativa, profesionalismo, poder de innovación, creatividad y sexto sentido en el cubrimiento de eventos deportivos alrededor del mundo, al conseguir 13 posiciones finalistas de...

AIPS anuncia finalistas en Premios de Periodismo deportivo

AIPS anuncia finalistas en Premios de Periodismo deportivo

LAUSANA, 18 de abril de 2024 – En Santa Susanna, España, se darán a conocer los ganadores de la sexta edición de los AIPS Sport Media Awards. La gala tendrá lugar en el Pabellón de Santa Susanna el 29 de abril. AIPS tiene el honor de anunciar los 3 mejores en cada...

Argentina Brasil, Chile, Canadá y USA en finales de Copa Davis

Argentina Brasil, Chile, Canadá y USA en finales de Copa Davis

SCHEDULE ANNOUNCED FOR 2024 DAVIS CUP FINALS GROUP STAGE CALENDARIO ANUNCIADO PARA LA FASE DE GRUPOS DE LA FINAL DE LA COPA DAVIS 2024 18 de abril de 2024 Se ha anunciado el calendario completo para la fase de grupos de las finales de la Copa Davis de este año, que se...

Previous Next
Close
Test Caption
Test Description goes like this